Notícias

29/03/2018

7257b2fc-f4a1-49f2-90d6-122e273883eb.jpg


O presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, em exigiu a imediata apuração da denúncia feita pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal federal, de que seus familiares estão sendo alvo de ameaças. Em declarações concedidas à imprensa na noite desta terça-feira (28), durante a realização da solenidade de posse dos membros da diretoria e do conselho diretor do Centro de Estudos da Sociedades de Advogados (CESA), ocorrida em São Paulo, Lamachia afirmou que a notícia é “extremamente grave” e que o esclarecimento do caso deve ser uma prioridade para as autoridades. Em entrevista ao jornalista Roberto D'Avila, da GloboNews, Fachin disse que ameaças têm sido dirigidas a membros de sua família.

“O depoimento do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, sobre as ameaças contra sua família é extremamente grave e deve ser tratado com a máxima seriedade. Esse tipo de ataque não pretende atingir apenas o Supremo Tribunal Federal, mas todo o sistema de Justiça e o Estado Democrático de Direito em si. A apuração do caso deve ser prioritária e os responsáveis devem ser punidos de forma exemplar, de acordo com o rigor da lei”, disse o presidente nacional da OAB.

Lamachia afirmou que a entidade observará de perto o desenrolar das investigações. “A Ordem dos Advogados do Brasil acompanhará o caso com atenção. Recentemente, tivemos o assassinato da vereadora Marielle Franco, do Rio de Janeiro, e até agora esse fato não foi esclarecido. Cobramos respostas. Os avanços que o Brasil teve no combate ao crime devem ser preservados.”, afirmou ele.

O presidente também se manifestou sobre o episódio em que envolveu a caravana do ex-presidente Lula, no interior do Paraná. O dirigente ressaltou que "a OAB repudia todo e qualquer ato de violência. Nosso país precisa de soluções que estejam dentro da lei e do espírito democrático. É preciso coibir e punir os ataques a partidos e a políticos. O debate político deve se dar no campo das ideias."

Fonte: OAB/RS